Um amigo esperto uma vez me sugeriu que talvez o poker fosse melhor se cada vez cada vez que os jogadores estivessem all-in, o dealer dividisse o pote de acordo com sua equidade, ao invés de bater as cartas e empurrar tudo para o vencedor da mão.

Por exemplo, se Ana tivesse AA e João KK e ambos fossem all-in pré-flop com, digamos, $ 100, o dealer automaticamente daria $ 82 para Alice e $ 18 para Bob e passaria para a próxima mão ( essas quantias são conhecidas como bucks de Sklansky ou EVs all-in).

Que mundo ideal seria, certo? Não há mais bad beats!

Pergunta: Você acha que é uma boa ideia?

  1. A) Sim, elimina totalmente a variação EV all-in
  2. B) Tudo bem, mas difícil de implementar.
  3. C) Você está brincando comigo? Bad beats são o maior presente do poker!

Eu posso ter estragado a resposta já no título, mas o que torna as “bad beats” tão importantes?

Bad beats não são tão “ruins”

Ana é geralmente a melhor jogadora de sua mesa.

Assim, não é de surpreender que ela seja mais frequentemente a receptora de bad beats do que o contrário, pois, quando todo o dinheiro entra, Ana é geralmente a favorita.

When she loses an all-in hand, it is often because she was unlucky and her opponent caught an unlikely card on a later street. That is the exact definition of a bad beat!

Quando ela perde um all-in, muitas vezes é porque ela teve azar e seu oponente pegou uma carta improvável em uma rodada posterior. Essa é a definição exata de uma bad beat!

No entanto, Ana seria a primeira a dizer que os bad beats são incrivelmente importantes para o ecossistema do poker. Sem eles, os jogadores mais fracos estariam muito menos inclinados a lutar contra jogadores superiores, eventualmente matando a ação e colocando jogadores como Ana fora do negócio. O fator sorte é o que atrai tantas pessoas ao jogo e o que o torna tão fascinante.

Jogos como o poker – onde a sorte está tão fundamentalmente envolvida – estão entre os poucos em que se pode aprender as regras e bater o campeão mundial em primeira mão. É claro que vencer o mesmo campeão ao longo de 10, 100 ou 1000 mãos torna-se exponencialmente menos provável, a ponto de eventualmente se tornar uma impossibilidade prática.

Ainda assim, há alguma chance não desprezível no curto prazo. Esta é uma ausência notável em jogos de pura habilidade (por exemplo, xadrez), onde o melhor jogador quase sempre ganha, especialmente se o diferencial da habilidade for substancial.

Toda mão que você perde é uma “bad” beat

O nome “bad beat” é muito enganador. Na grande maioria dos all-ins pré-river, cada jogador tem alguma equidade no pote. Isto significa que cada pote que você estava na frente e perde é uma bad beat, uma vez que que perder o pote inteiro significa perder mais do que um, baseado na equidade.

Por outro lado, quando você ganha o pote inteiro com menos que 100% de equidade é mais do que você merece, fato que anula totalmente o significado “ruim” do termo bad beat, uma vez que quando você perde você (estando atrás nas equities) você teve azar, uma vez que teria direito a X% do pote (ainda que numa frequência menor que 50%) e quando você ganha você teve sorte, já que ganhou 100% num pote que deveria ganhar 80% (por exemplo).

Por exemplo, digamos que Ana tem 2 ♠ 2 ♣ num flop K  Q  2  e, depois de algumas apostas, aumenta e re-raise, recebe todo o dinheiro contra o A   K  de João(top pair, top kicker).

O pote é agora aproximadamente US $ 2000. Um rápido cálculo de equidade da Equilab mostra que Ana é quase 93% favorita para ganhar o pote contra os 7% de João. 

Do ponto de vista técnico, isso significa que a mão de Ana vale 93% de $ 2000 ou seja, $ 1860, enquanto a mão de João vale os restantes 7% ou $ 140.

Observe que nenhum jogador merece o pote completo de $2000. No entanto, um dos jogadores conseguirá exatamente isso! Da mesma forma, nenhum jogador deve sair sem nada, mas é exatamente isso que vai acontecer!

Permanecendo no lado técnico por um momento, vemos que, se Ana ganha, ela ganha 140 dólares a mais do que merece. Isso significa que se ela vencer, ela terá “sorte”, porque receberá mais dinheiro do que deveria. Da mesma forma, Bob será azarado se perder, exatamente por esse valor. Se mudarmos os resultados e Ana perder, ela será “azarada” na medida de $1860, enquanto João terá a mesma sorte.

Para ser justo, o fator sorte no segundo caso é cerca de 13,3 vezes maior que o primeiro (a relação de 1860 sobre 140) que sem surpresa é exatamente 93 a 7. Em outras palavras, Ana ganhará 13 vezes mais que João, mas João vai ganhar 13 vezes a quantia de dinheiro “extra” para compensar. Não fica mais “justo” do que isso e, no entanto, o resultado de todo pré-river all-in é sempre injusto.

Isso significa que nenhuma batida individual é sempre justa, seja como favorito ou como azarão.

Takeaways

Em suma, toda vez que Ana sofre uma bad beat, ela está pagando de volta para todas as vezes que ela ganhou “demais” como o favorito.

Isso ajuda Ana a manter as coisas em perspectiva. Ela entende que a maioria de suas sessões vencedoras frequentemente envolvem sua sorte (não ser infeliz), justificando, assim, a inevitabilidade matemática de suas sessões perdedoras.

Em outras palavras, as bad beats não são apenas essenciais para o jogo (e a razão pela qual os jogadores vencedores ainda ganham ação na mesa de poker), mas também uma ilusão de sorte. A parte ilusória é sua natureza negativamente conotada: eles ainda são “batidas” e podem doer como outras pancadas, mas não há nada particularmente injusto nelas.

Pense nisso desta maneira: se o longo prazo é o que cuida do nosso índice de vitórias e garante que eventualmente seremos lucrativos contra jogadores mais fracos, como esperamos que ele não cuide do excedente acumulado que recebemos ao longo do tempo de todos os potes que ganhamos? Ambos dependem do mesmo princípio:

A longo prazo, todos nós recebemos nossa parte na mesa de poker …

 

Artigo escrito por Kosntantinos “Duncan” Palamourdas, para a Upswing, em 12 de Fevereiro de 2019.

 

Traduzido e adaptado por Luigi Soncin, para a ROYALpag.