Q: O que é mais importante do que trabalhar duro?

R: Trabalhar mais duro!

Malcolm Gladwell deixou isso bem claro em seu best-seller de 2011, Outliers, onde ele popularizou o conceito que hoje é conhecido como a regra das 10.000 horas.

A ideia é que, para que alguém alcance o nível de mestre em qualquer domínio, ele precisa gastar – você adivinhou – pelo menos 10.000 horas. Embora o número exato tenha sido seriamente contestado, o princípio por trás dele não foi. É geralmente aceito que uma sólida ética de trabalho está no topo das características necessárias para o sucesso. Gladwell resumiu isso eloquentemente em uma de suas citações mais famosas:

A prática não é o que você faz quando está bem. É a coisa que você faz que te faz bem.

Depois, há aqueles que passam a vida inteira praticando:

Você pode praticar tiro oito horas por dia, mas se sua técnica está errada, tudo o que você se torna é muito bom em atirar de maneira errada. Obter os fundamentos e o nível de tudo que você faz vai subir.

Caso você esteja se perguntando, esse foi Michael Jordan.

Michael Jordan era famoso por sua consistência, perseverança e determinação ao longo de toda a sua carreira. Ele não apenas gastou uma grande quantidade de seu tempo livre trabalhando em seu ofício, mas talvez mais importante, ele investiu a maior parte do tempo trabalhando no básico (exercícios, lances livres, etc.). É muito difícil argumentar com alguém assim sobre o poder dos fundamentos.

Falando de Jordan, o esporte não é o único campo onde a prática leva a excelência. Michael Jackson era notoriamente obcecado com suas rotinas de dança. Para melhorar sua fluidez e técnica, ele habitualmente repetia os mesmos movimentos “padrão” por horas a fio, até que ele literalmente desmaiava de exaustão. Escritores são semelhantes. Os gostos de Ernest Hemingway e Stephen King criaram o hábito de escrever até 2000 palavras por dia. Fale sobre dedicação!

A lista continua, mas você entendeu. Embora você possa estar se perguntando: por que essas pessoas altamente bem-sucedidas aparentemente perdem tempo com tarefas tão tediosas? Eles não são “melhores” do que isso? Seu tempo precioso não seria melhor gasto trabalhando em conceitos mais avançados, combinando com seu grande talento?

Essas são questões justas, embora a suposição não declarada por trás disso seja que os fundamentos e o sucesso não são correlacionados. Pelo contrário, o oposto exato parece ser verdade. Essas tarefas mundanas não apenas não são tão esbanjadoras quanto se poderia pensar à primeira vista, elas podem muito bem ser o núcleo daquilo que torna essas lendas excelentes para começar. Assim, devemos considerar seriamente aplicar esses métodos testados em outros domínios da vida, especialmente aqueles que são relativamente novos.

Priorize seus fundamentos de poker

Isso nos leva ao poker (lucrativo). Muito parecido com qualquer outra habilidade aprendida, o poker tem seu próprio conjunto de fundamentos que precisamos constantemente priorizar sobre outras técnicas mais refinadas e mais sofisticadas. Se quisermos ser bem sucedidos, talvez precisemos pensar como Michael Jordan e nos certificar de que terminemos de fazer “lances livres” para o dia antes de passar para tarefas mais elaboradas.

O treinador Ryan Fee tem uma boa metáfora para descrever esta ideia. Ele visualiza o poker como uma árvore que traz cada oportunidade (por rentabilidade) como uma fruta. Naturalmente, nem todas as frutas são igualmente acessíveis e valiosas. 

Na parte inferior da árvore, temos os “frutos mais fáceis”, ou seja, conceitos fundamentais que são fáceis de aprender e muito importantes de entender. Estas são coisas como pot odds, seleção de mãos pré-flop, estratégias de c-bet, etc. 

Em seguida, há o “fruto pendurado no meio, ou seja, conceitos que são mais difíceis de entender e menos consequentes do que os frutos mais leves. Coisas como blockers e balance se enquadram nessa

Finalmente, há aqueles frutos isolados e muitas vezes protegidos por espinhos, que não são apenas difíceis de alcançar, mas também podem nos machucar no processo de tentar obtê-los. Estes são os conceitos mais elaborados e sutis da teoria dos jogos (razões de blefes para valor, frequência mínima de defesa , balanceamento perfeito dos ranges, etc). Se usadas corretamente, essas estratégias nos darão um aumento relativamente pequeno na taxa de ganho, mas, se usadas de maneira inadequada, elas serão muito caras.

 (Nota: Estratégias de frutas penduradas podem ser “caras” mesmo quando aplicadas adequadamente. Isso se deve ao custo de oportunidade: a ideia de que estudar outras estratégias menos sofisticadas pode ser um uso mais lucrativo de nosso tempo.)

Geralmente, a pessoa ganha mais com os frutos mais baixos e os mais altos. Em outras palavras, não se deve gastar tempo estudando conceitos complexos sem primeiro estabelecer os fundamentos. Claro, podemos eventualmente tentar obter todos os frutos ao nosso alcance, mas não faz mal fazer isso por ordem de conveniência. Pelo contrário, pode nos ajudar a acelerar o processo.

Fruta Low-Hanging, também conhecida como “Fundamentos do Poker”

Uma questão natural, então, é: quais são os frutos mais fáceis em no limit Hold’em? Antes de prosseguirmos listando alguns deles, vamos primeiro decidir o que é um conceito “central” no poker? Claro, isso se resume a como se define. Pessoalmente, penso nos fundamentos como algo que satisfaz as seguintes propriedades:

  1. Basilar: são aqueles conceitos que não é possível dissecar em uma parte ainda menor. Fazem parte da fundação de conceitos mais complexos.
  2. Amplo: aparece na prática em todos os níveis e em alta frequência.
  3. Simples: É bastante fácil de descrever (embora potencialmente difícil perfeito).
  4. Efetivo: Quando usado corretamente, ele irá levar a rentabilidade.

Estas palavras formam a sigla BASE, que é bastante útil. Sem mais delongas, aqui estão alguns conceitos que se encaixam no perfil.

Faça bons investimentos pré-flop

Muito antes de os frutos “mais altos” de frequências mínimas de defesa e equilíbrio de range há três frutas muito maduras. São três métricas pré-flop muito básicas, mas também muito importantes: Iniciativa, Posição e Vantagem de Range.

  1. A iniciativa é atribuída ao último agressor pré-flop.
  2. A posição é atribuída à pessoa que é a última a jogar no pós-flop.
  3. A vantagem do range é atribuída à pessoa que tem o range mais forte (não necessariamente a mão mais forte).

Estes são tópicos elementares que foram analisados ​​extensivamente, então eu não quero passar com muitos detalhes aqui. O que é fundamentalmente importante sobre essa tríade, no entanto, é que ela pode ser vista aproximadamente como um sistema de pontos. Cada jogador “marca” 0-3 pontos antes do flop, dependendo de quantas peças da tríade eles controlam. Isso cria uma avaliação rápida e bastante precisa do potencial de longo prazo em entrarmos em determinado flop. Por exemplo, se Alice isolar 3 limpers no BTN com A ♣ 5 ♣, ela controla o tripé inteiro (3/3 pontos), enquanto se ela abre na posição intermediária (com a mesma mão: A ♣ 5 ♣) e é paga por um jogador em posição, ela não terá mais posição e provavelmente nenhuma vantagem de range (portanto, apenas 1/3 pontos).                                               

Tudo mais mantido constante (incluindo habilidade), o jogador com a maior pontuação estará geralmente (mas nem sempre) em vantagem. Estes são o que eu chamo de propriedades inatas do jogo. Não diferentemente do xadrez, onde a pessoa com as peças brancas tem uma vantagem matemática, o jogador de poker no controle dessa tríade pré-flop tem uma vantagem inata semelhante.

A questão aqui é que, a longo prazo, aqueles jogadores que usam os três pilares da tríade terão mais lucros quando comparado com os jogadores que não o fazem. Isto é, até certo ponto, intuitivo, pois ter uma mão forte no botão e jogá-lo agressivamente é quase sempre uma receita para o sucesso, enquanto limp/call com – digamos – 57o da UTG é uma receita para o desastre.

Para aqueles que ainda são céticos sobre a potência dessa tríade, proponho o seguinte experimento mental: Imagine um jogo em que você sempre recebe a tríade completa em cada mão. Isto é:

  1. Você sempre é o botão.
  2. Em média, você recebe sempre cartas melhores do que seus oponentes (mais propensos a receber um A, por exemplo).
  3. E você é o único que tem permissão para aumentar o pré-flop.

QUESTÃO 1

Existe alguém no mundo que você não jogaria contra? (Nas suas apostas regulares por 100 BBs em dinheiro.)

Também por diversão, vamos inverter a questão:

QUESTÃO 2

Você jogaria com HU contra quem tem o tripé completo pré-flop contra você? Se sim, quem?

Deixe-me saber seus pensamentos na seção de comentários.

Fique grande ou vá para casa

Há muitas maneiras de perder no NL Hold’em! De fato, todo estilo único pode ser perdedor (Loose, Tight, Agressivo, Passivo e tudo mais). Infelizmente, como os dados sugerem, o oposto não é verdadeiro. Por exemplo, não há chance de vencer na maioria dos jogos, a menos que eles sejam agressivos (ou seja, favorecendo apostas e aumentando as apostas e as verificações).

Agressão é o que os matemáticos chamam de condição necessária, mas não suficiente, para o sucesso. Como resultado, é um bom hábito de jogadores vecedores priorizar ações agressivas versus passivas. Alice tem um mantra de poker relevante que ela vive:

“Fique grande ou vá para casa”

Esta é sua maneira de resumir o seguinte princípio intuitivo: Se há uma boa razão para estar no pote, ela deve lutar com unhas e dentes para extrair o máximo de fichas de seus oponentes. Caso contrário, é provável que ela tenha abandonado o navio. Quanto mais rápido, melhor.

Claro, há exceções à regra e há um tempo e lugar para eles também, especialmente em MTTs. No entanto, o fato é que, a menos que Alice esteja jogando em um jogo que ela não deveria estar, ela raramente está envolvida em uma mão sobre a qual ela não tem controle.

Falando nisso, uma estratégia predominantemente agressiva tem outra consequência muito importante: Distribuição desigual de pontos “agressivos” versus “passivos”. No caso de Alice, por exemplo, suas linhas agressivas são esmagadoramente mais frequentes na prática do que suas contrapartes passivas. Por causa disso, e em vez de se concentrar nos momentos em que ela está recebendo a agressão, ela prefere trabalhar em suas estratégias ofensivas primeiro. Alguns exemplos de suas prioridades:

  • Trabalhando em como 3betar corretamente antes de trabalhar em como se defender contra 3bets
  • Estratégias de cbets vêm antes de defender contra c-bets
  • As betting turns e rivers vem antes de trabalhar em como se defender deles
  • Aprender a atacar usando suas equiaddes antes de aprender como defendê-las

e assim por diante…

 

Isso é tudo por hoje!

Como sempre, qualquer dúvida e pergunta deixe nos comentários abaixo!

 

Artigo escrito por Konstantinos “Duncan” Palamourdas para a Upswing em 18 de Janeiro de 2019.

Traduzido e adaptado por Luigi Soncin, para a ROYALpag.